Nima Zeighami publicou no Twitter um fio (thread) enorme com todos os usos bizarros da palavra metaverso no Twitter. Já explicamos o que é o conceito, mas nada se compara às definições que Zeighami encontrou. Até viagem no tempo foi associada à palavra da moda.

Mas o que é o metaverso, afinal?

A definição procura unir conceitos como realidade virtual e aumentada com aplicações reais. No entanto, perdido no jargão de produtos e soluções de tecnologia, a palavra agora significa tudo, na CES 2022. Chavão que abre porta grande, como diz o ditado brasileiro. Confira alguns destaques bizarros que Zeighami achou.

“Mobilidade para o metaverso”

Ora, se o metaverso é virtual, como seria a mobilidade para o metaverso? Andar até o óculos de realidade virtual? Ficamos confusos.

“Conectar o metaverso ao real”

Aqui uma ressalva importante: o óculos de realidade virtual anunciado até que funciona bem. Já fundir o real com o virtual é forçar um pouco a barra.

“Guarde seu espaço real no metaverso”

Não há poder de interpretação suficiente que nos faça entender as nuances dessa afirmação. Guardar lugar? Metaverso sem lugar?

“Vamos abrir seu metaverso XR!”

Aqui não fica bem claro se é um convite ou uma ameaça. Uma imagem com pessoas sem sorrisos e óculos escuros e uma ideia de metaverso extra, extra. Fica aberto à interpretação mais uma vez.

“Acesse o metaverso aqui”

Não faça isso, nem na CES e nem em casa. Andar em direção a uma parede com publicidade do metaverso não é o mesmo que entrar nele, que fique claro.

“Caliverso – Bem-vindo ao Lotte metaverso”

Aqui todos são um só e cada um é um universo. Quem realmente estamos conhecendo? O Caliverso? O Lotteverso? Tantas possibilidades que nem os pés da moça da foto apontam em uma mesma direção.

“Reconhecimento de gestos no metaverso”

Uma mão robótica e muitas possibilidades. Será que o metaverso reconhece todos os gestos manuais? Todos, mesmo?

“Colocando o padrão de entrada do metaverso”

Não é todo mundo que entra no metaverso. Sem o padrão de entrada certo, pode ser que você não consiga, se essa frase faz algum sentido.

“Solução de metaverso industrial com tecnologias de informação e comunicação””

Metaverso industrial? Será que tem linha de produção, operários e sindicato? Queremos saber.

“Seerslab fornece serviços intuitivos no metaverso na ‘Cidade Espelho’ em tempo real ao espelhar pessoas, objetos e ambientes em ambiente de tempo real no espaço do metaverso. Usuários podem acessar o metaverso on e offline a qualquer tempo e lugar via ‘Cidade Espelho'” – 3x metaverso

Tripla repetição, três vezes confusão, muitos espelhos. Uma casa de espelhos. Uma cidade de espelhos. Tudo muito poético e confuso nessa definição.

“Comece sua empresa no Metaverso XR” – Uma empresa de consultoria de software que registra um domínio para você, dá a você um NFT que eles criarem (mintaram), e você paga a eles uma pequena fortuna para construir uma experiência irreal (Unreal) que eles transmitem para a web e que não pode rodar nem em 20fps.

Aqui também o sentimento de confusão é patente. Um metaverso tão complexo que liga um domínio de internet a um NFT e a uma experiência em movimento, é muita coisa.

“Metaverso Goart” – Bônus: se você olha no tablet, eles afirmam “Viajar no tempo agora é possível”

De volta para o futuro, no metaverso! Sabemos que o metaverso faz muitas coisas mas viajar no tempo, é a primeira vez.

“A realidade virtual (VR) sem fios e o Metaverso estão aqui!” – Se eles fizerem realmente um adaptador sem fio para o dedo indicador que funcione, essa é a primeira empresa que eu daria cartão verde. É ainda um termo ridículo mas valor real deveria ganhar um cartão verde”.

Sensores e adaptadores já fazem parte dos acessórios para o metaverso. Um adaptador para o dedo indicador realmente seria interessante, se existisse.

“Faça seu metaverso @ hancom ponto town”

Um metaverso pode ser simples como um endereço de email. Essa seria a proposta dessa empresa? Difícil saber.

“O metaverso real!” – Podem fazer as malas, todo mundo! Achamos! O real metaverso!

O que é real? Já não sabemos mais nesse ponto.

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *