Imagem: divulgação

É como encontrar uma agulha no palheiro. Sinceramente, não há analogia melhor para a façanha de um grupo de estudantes da Curtin University, na Austrália. Usando drones e inteligência artificial, eles foram capazes de encontrar um meteorito do tamanho de um ovo no deserto australiano. Sorte? Não, tecnologia!

Segundo a Nasa, cerca de 50.000 rochas espaciais já foram encontradas na Terra. De todas essas “estrelas cadentes”, os astrônomos só conseguiram traçar as órbitas de cerca de 40 delas; menos de 1%. Com esses números já dá para ter uma ideia da complexidade que é encontrar um meteorito por aí sem contar com a sorte.

E foi ao analisar as órbitas de Vênus e Júpiter que Seamus Anderson e seus companheiros de equipe fizeram o que parecia “quase” impossível. “Não esperávamos ter tanto sucesso na primeira vez”, comemora ele.

meteorito encontrado com ajuda de drones e inteligência artificial

Imagem: divulgação

A caça ao meteorito

O Centro de Ciência e Tecnologia Espacial de Curtin, na cidade de Perth, administra a Desert Fireball Network, um sistema de 50 câmeras automatizadas que monitoram os céus noturnos da Austrália em busca de meteoros.

No ano passado, duas das câmeras rastrearam um traço no céu, e o sistema calculou que uma pequena rocha provavelmente havia caído no deserto australiano. As observações, claro, não foram suficientes; apenas estimaram que o meteorito pesava entre 150 e 700 gramas e que havia caído em uma área de cinco quilômetros quadrados.

Os caçadores de rochas espaciais mais tradicionais costumam caminhar por muitos quilômetros a pé, de um lado para outro, para encontrar algo no solo de uma região que acreditam ter sido atingida por meteoritos – 80% das vezes dá errado. As chances são mesmo pequenas.

Solução hi-tech: drones + IA

Em vez de caminhar, voar. Para encontrar o meteorito, o pessoal da Curtin University usou um drone equipado com uma câmera de 44 megapixels e um computador com uma placa de vídeo de última geração. Mas o destaque ficou por conta da rede neural que eles desenvolveram e era capaz de identificar com precisão garrafas, latas, raízes de plantas e até ossos de canguru – qualquer coisa que pudesse ser confundida com uma rocha espacial.

meteorito encontrado com ajuda de drones e inteligência artificial

Imagem: divulgação

“É como treinar seu filho para descobrir como é um cachorro”, explica Anderson. “Você pode mostrar muitas imagens de nada além de labradores pretos – e então, quando vê uma foto de um pastor alemão, talvez enlouqueça e não saiba exatamente o que deve fazer. Então você tem que dar muitas oportunidades para saber como um meteorito pode parecer nesse fundo.”

Resumo da ópera: foram 43 voos de drones ao longo de três dias, registrando 57.255 imagens. O algoritmo de inteligência artificial, então, entrou em ação e identificou possíveis 59.384 objetos. Os pesquisadores conseguiram reduzi-los rapidamente para 259 e depois 38, que eles inspecionaram novamente com um segundo drone menor. Logo eles estavam reduzidos a quatro, e partiram a pé, guiados por GPS, para encontrá-los. Bingo!

meteorito encontrado com ajuda de drones e inteligência artificial

Imagem: divulgação

O condrito encontrado, um tipo comum de meteorito rico em ferro, Tinha 5 centímetros de comprimento, aproximadamente do tamanho de um ovo, e pesava 70 gramas.

“E eu fiquei lá, e basicamente gritei por um minuto ou dois. Sim, foi incrível.”

Via: IEEE Spectrum

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.