A WIPO (Organização Mundial da Propriedade Intelectual) decidiu bloquear a criação da criptomoeda JRR Token, que afirmava ser “um único token para dominar a todos” e inspirada em “Senhor dos Anéis”. Os herdeiros do autor J. R. R. Tolkien, representados pela organização Tolkien Estate, entraram com o processo na organização e foram vitoriosos.

O JRR Token foi criado por uma empresa americana e o Tolkien Estate é uma organização britânica. A criptomoeda foi lançada em agosto com o domínio JRRToken.com, conta no Twitter e canal no YouTube.

Os vídeos de lançamento incluíam depoimentos do ator Billy Boyd, que protagonizou Pippin, afirmando “Saruman tentava unir a Terra Média em um domínio centralizado, enquanto a Sociedade do Anel queria a descentralização. Uma criptomoeda é literalmente uma rede descentralizada”, teria afirmado o ator.

O Tolkien Estate iniciou o processo de arbitragem na WIPO afirmando que o produto infringia os direitos de propriedade intelectual da marca ligada ao nome de JRR Tolkien. Atacou ainda o domínio do site, afirmando que apenas as letras L e I ficaram de fora em JRRToken.com. Isto indicaria que o site foi “criado para enganar usuários da internet a acreditarem que havia alguma conexão legítima” com o nome do autor.

A empresa americana disse em resposta que JRR Token era uma moeda digital única, não relacionada ao autor e que o nome de domínio foi registrado com a intenção de paródia em vez de má fé. O uso de frases inspiradas no livro era apenas para ter efeito humorístico, de acordo com os representantes da moeda.

A conclusão do árbitro da WIPO indicou que não havia uma justificativa coerente com o registro do domínio, a não ser por sua semelhança com a propriedade intelectual de Tolkien. Tratava-se, assim, de um esforço para tirar vantagens comerciais da imagem do autor.

O nome da moeda, JRR, teria sido escolhido por significar “Journey through Risk to Reward” (Jornada do Risco à Recompensa), de acordo com a empresa americana. A WIPO não acreditou na informação pois “não está claro como a palavra jornada possa ter algo a ver com a compra de tokens”. Mais uma vez, a semelhança com o nome do autor levou à decisão de bloquear a criptomoeda.

Atualmente, no Whois, o registro do domínio JRRToken.com já foi transferido para Tolkien Estate. A ICANN também indica que o domínio não pode ser vendido ou transferido, um resultado comum em casos de disputa de propriedade intelectual. A empresa americana foi ainda condenada a pagar as despesas com advogados ao Tolkien Estate no último dia 23 de novembro.

O advogado dos herdeiros do autor, Steven Maier, afirmou que quem quiser tirar vantagem do nome do autor e de seus trabalhos literários entrará em conflito com os herdeiros que estão sempre vigilantes. Classificou ainda o caso do JRR Token como infração flagrante e o veredito da WIPO como satisfatório em entrevista ao The Guardian.

Crescimento e queda dos tokens inspirados em Tolkien

BSCScan JRR Token Tolkien Criptomoeda

JRR Token criptomoeda inspirada em Tolkien do lançamento ao bloqueio – Imagem: BSCScan

As redes sociais do JRR Token, Twitter e YouTube, já foram retiradas do ar. No Binance Smart Chain Explorer (BSCScan) ainda é possível ver como foi a comercialização da criptomoeda. Foram realizadas 2.353 transferências para 517 carteiras, com a última registrada dia 24 de novembro. Agora o valor da moeda é zero mas chegou a ser trocada por Ethereum e teve um boom de lançamento considerável, de acordo com os dados da BSCScan.

O JRR Token prometia lucros de 3% a seus investidores, 3% das arrecadações eram destinadas a caridade e marketing e 3% para um pool de liquidez.

No DxSale.app o texto de apresentação da criptomoeda dizia que “o time de desenvolvimento realizou um projeto apaixonado que combinou o amor por aventura e criptomoeda, e realizou um tributo aos reinos de fantasia que vivemos em nossa infância”. No momento do lançamento da moeda, 15% das moedas totais já haviam sido compradas.

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *