Imagem: divulgação/SNK Corporation

A série The King of Fighters teve o seu início ainda em 1994 e trouxe alguns sistemas considerados revolucionários para os jogos de luta. Agora, após 5 anos, a franquia está com um título novo que promete deixar a experiência ainda mais completa.

O TecMasters pôde jogar bastante o The King of Fighters XV e conta a seguir o que achou do mesmo neste review. Confira!

Uma campanha divertida, mas curta

O The King of Fighters XV, assim como seu antecessor, traz uma história curta, mas que é o suficiente para manter o seu jogador entretido até finalizá-la, pelo menos uma vez. Resumindo a mesma, um novo torneio “The King of Fighters” foi anunciado e pegou inúmeros lutadores de surpresa, que achavam que o campeonato não existiria mais.

Já algumas forças sobrenaturais, das quais não entraremos em detalhes para não dar spoilers, enxergam o torneio como uma oportunidade para ameaçar a humanidade. Como pode ser visto pelo resumo, a história não é inovadora, mas é mais do que o suficiente para manter jogadores entretidos em um jogo de luta.

Cena da campanha - The King of Fighters XV

Imagem: reprodução/TecMasters

O tempo para zerar a campanha é de aproximadamente uma hora, sendo que isso pode variar de acordo com a habilidade do jogador. Honestamente, mesmo estando sem jogar títulos de luta há algum tempo, eu praticamente não senti dificuldades para zerá-la e nem mesmo na luta contra o chefe final.

Além da história que é “padrão” para o começo e desenrolar, ao optar por utilizar equipes pré-definidas de lutadores, os jogadores podem assistir algumas cenas extras que contam histórias mais específicas de certos personagens.

Partidas do jeito clássico e jogabilidade refinada

Seguindo os moldes clássicos e vistos na maior parte do tempo na franquia, The King of Fighters XV traz partidas com 3 lutadores em cada time. Já aqui, algo a ser notado é que não existem os strikers, ou seja, não é possível chamar um companheiro para uma ajuda momentânea.

A principal novidade de sua jogabilidade fica por conta do modo “MAX” e do modo “MAX Rápido”, que funcionam através de barras de energias que são preenchidas com os golpes aplicados e sofridos durante a luta. Enquanto o primeiro modo ajuda o jogador a ter mais dano e defesa, o segundo ajuda o jogador a combar o seu inimigo, mas só deve ser utilizado em momentos apropriados.

Barra Max Mode carregada - The King of Fighters XV

Imagem: reprodução/TecMasters

Outra novidade importante do jogo fica com a mecânica do Shatter Strike, uma espécie de parry, que ajuda os jogadores a executarem contra-ataques quando o inimigo tenta aplicar um especial.

Já em relação aos golpes, as mecânicas para aplicá-los continuam praticamente as mesmas, mas isso não significa que estas sejam fáceis. Assim como nos antecessores, além dos golpes feitos com os movimentos comuns, existem inúmeras variações, por exemplo, no ar ou ao estar longe ou perto do inimigo. Todas essas mecânicas mencionadas, vale lembrar que consomem uma barra, então, é preciso ter cautela para não gastar o que há de melhor no vento.

Felizmente, para ajudar novatos e veteranos, The King of Fighters XV vem com um modo treino bem competente e o “manual de combos” é bem explicativo e não deixa nem mesmo os novatos com dúvidas do que estão vendo. Não somente isso, o modo tutorial do jogo também explica bem como todas as mecânicas (novas e antigas) funcionam.

Modo online competente

Já um dos fatores que promete manter o The King of Fighters XV em evidência por um bom tempo é o seu modo online. Para começar sua jornada, antes, os jogadores precisam enfrentar o computador em 3 partidas para ter o seu nível de habilidade definido.

Feito isso, os jogadores podem entrar em partidas casuais ou ranqueadas em que enfrentarão jogadores aleatórios com um nível de habilidade parecido. Para jogar com os amigos, os jogadores podem criar salas e convidá-los.

Já o que deve manter o jogo vivo por um bom tempo, é claro, fica pelo seu modo ranqueado, que traz uma tabela de fácil compreensão de onde está o jogador no ranking geral.

De forma geral, eu curti bastante o modo online do The King of Fighters, sendo que as partidas demoravam menos de um minuto para encontrar os jogadores. O ping variou entre 35-60 ms e em nenhum momento senti lag.

The King of Fighters XV não é perfeito

Apesar do The King of Fighters XV ter mais acerto do que erros, alguns pontos não podem passar despercebidos. Por exemplo, todos os personagens do jogo tem roupas, que na verdade só tem variação nas cores, na maioria das vezes.

Em relação a isto, tudo já vem desbloqueado e o jogador pode sentir a falta de extras a serem liberados.

Apesar de ter 39 lutadores, um número que considero ótimo, é inevitável não perceber que alguns lutadores do The King of Fighters XV usam a mesma animação. Entretanto, também ressalto que os seus especiais são bem variados e trabalhados.

Elenco - The King of Fighters XV

Imagem: reprodução/TecMasters

Conclusão

The King of Fighters XV é um prato cheio para os fãs de jogos de luta que estavam esperando por um novo título de qualidade. A sua campanha, é verdade, é curta, mas deixa o jogador entretido até finalizá-la.

Já o modo online e um número vasto de lutadores, mesmo sendo menor do que o de seu antecessor, ajuda os jogadores a passarem mais tempo aprimorando suas habilidades.

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.