Reprodução: FabrikaSimf/shutterstock.com

Há mais de um ano com a produção de diversas empresas de tecnologia sendo afetada por conta da crise dos chips, agora outro segmento da indústria pode começar a sentir os efeitos negativos dessa falta: o de tintas para impressoras.

Recentemente, usuários de impressoras da Canon, uma das principais fabricantes globais de impressoras, de algumas regiões estão relatando um problema: um aviso emitido pelos equipamentos informando ao usuário que o nível de tinta do cartucho da impressora está acabando.

Em geral, esse erro não apenas informa ao usuário que ele precisa repor a tinta da máquina, mas também impede que a impressão ocorra.

O que isso tem a ver com a crise dos chips, afinal?

Vale dar um contexto antes: a maioria das impressoras possui em seu sistema um chip que faz o controle de nível de tinta que, por trás, também realiza uma espécie de controle de direitos digitais.

Assim, a mensagem padrão que o sistema mostra é de que “o nível de tinta está crítico”, o que pode impedir que a impressora funcione. Afinal, sem tinta, não há como garantir que a impressão seja realizada, certo?

Mas essa mensagem pode aparecer mesmo se o cartucho estiver completo, bastando o acessório ser apenas de outro fabricante — uma tentativa de fazer com que, na prática, os usuários evitem adquirir cartuchos de tinta e toners de terceiros.

Do ponto de vista de negócio, bloquear a atuação de um mercado terceiro é interessante por diversos motivos. O primeiro deles é que o bloqueio é uma maneira estratégica de garantir mais uma receita recorrente às próprias fabricantes de impressoras.

Também é uma maneira de se resguardar: se a fabricante consegue garantir que o usuário compre apenas produtos certificados, ela também consegue ser responsabilizada em caso de problemas, por exemplo.

O problema começa quando a fabricante, no caso a Canon, não consegue componentes para incluir em seus produtos e passa a fabricar cartuchos sem chips — sim, esses mesmos que são usados para certificar a autenticidade do produto original.

Na prática, o que está acontecendo é que os usuários, mesmo com produtos originais, recebem avisos de erro de impressão. Isso porque, sem os chips, a impressora não consegue identificar a autenticidade do produto e tampouco o nível de tinta disponível e, portanto, assumirá que o cartucho está zerado e se recusará a realizar a impressão.

E assim retomamos ao início do texto: essa situação está acontecendo de forma recorrente com usuários da empresa na Alemanha, o que levou a um plot twist no mínimo inesperado: a Canon, agora, está ajudando clientes a burlar o próprio sistema, dando dicas sobre como proceder no caso da mensagem de erro aparecer.

 

“Devido à continuidade da escassez mundial de componentes semicondutores, a Canon está atualmente enfrentando desafios na aquisição de determinados componentes eletrônicos que são usados ​​em nossos consumíveis para impressoras multifuncionais (MFP).

Para garantir um fornecimento contínuo e confiável de consumíveis, decidimos fornecê-los sem os chips até que o fornecimento [de semicondutores] seja normalizado.

Não há impacto negativo na qualidade de impressão ao usar equipamentos sem esses componentes eletrônicos, mas certas funções adicionais, como por exemplo detecção do nível de tinta, podem ser prejudicadas”, diz o site de suporte da Canon em alemão.

 

Essa é apenas uma amostra do que pode se tornar um desdobramento mais amplo com relação à escassez de chips que, segundo gigantes do mercado, pode durar até meados de 2023 — ou seja, ainda tem muito chão para que essa questão possa ser endereçada.

Via: Ars Technica

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.