Imagem: Gil C/Shutterstock

Metaverso de Mark Zuckerberg ou Twitter de Elon Musk? Que nada! O assunto do momento agora é um só: Orkut. Criada em 2004 e desativada em 2014, a página da icônica rede social foi reativada na última quarta-feira (27), trazendo expectativas de um retorno inesperado.

Quem entrar no domínio orkut.com vai deparar-se com uma carta aberta (em inglês ou português) do fundador da plataforma, Orkut Buyukkokten. Na mensagem, o criador relembra o lançamento da rede há quase duas décadas e como ela virou um ambiente virtual para mais de 300 milhões de usuários.

O texto de Buyukkokten menciona diversas críticas aos discursos de ódio e desinformação que imperam nas redes sociais da atualidade. Mas o desfecho da mensagem não só traz um sentimento de esperança para o mundo, como sugere a possível volta do Orkut.

“Eu sou uma pessoa otimista. Acredito no poder da conexão para mudar o mundo. Acredito que o mundo é um lugar melhor quando nos conhecemos um pouco mais. É por isso que criei a primeira rede social do mundo quando era estudante de pós-graduação em Stanford. É por isso que eu trouxe o orkut.com para tantos de vocês ao redor do mundo. E é por isso que estou construindo algo novo. Vejo você em breve!”, disse trecho do comunicado.

Orkut site

Imagem: Reprodução/Orkut

Naturalmente, a possibilidade de retorno da plataforma marcada por depoimentos, scraps e comunidades causou um alvoroço no Twitter.

Retorno do Orkut: uma resposta ao Twitter?

Curiosamente, a reativação do site acontece pouco tempo depois de Elon Musk anunciar a compra do Twitter. Na última segunda-feira (25), a rede social do pássaro aceitou a proposta de US$ 44 bilhões feita pelo bilionário para controle total da plataforma.

Mais curioso ainda foi o foco da mensagem de Buyukkokten. Musk já deixou claro que pretende implementar grandes mudanças em prol da “democracia” e “liberdade de expressão” no Twitter. Não está claro como isso se configuraria, mas existe um receio de que a rede possa virar palco para ainda mais discursos odiosos e fake news.

Ou seja, o comunicado do engenheiro turco de software parece rumar para uma direção contrária, justamente defendendo uma rede social que rechaça discursos de ódio e desinformação. Não há nenhuma menção ao Twitter, mas o timing do anúncio ocorre em um período, no mínimo, sugestivo.

Por ora, é incerto se a novidade, de fato, se concretizará na volta oficial do Orkut ou mesmo quando seria esse retorno. Cautela deve ser importante para evitar frustrações no futuro, mas uma coisa é certa: o sentimento de nostalgia está no ar.

E você: o que acha desse possível retorno? Deixe sua opinião na seção de comentários.

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.