Na última quarta-feira (17), a Meta (ex-Facebook) revelou ao mundo suas luvas hápticas que prometem simular o toque durante a realidade virtual usando bolsas de ar. No entanto, o projeto, segundo a empresa HaptX, é uma cópia de suas patentes.

A HaptX, que é uma companhia de longa data do mundo da realidade virtual e aumentada, diz que partes da luva da Meta parecem “substancialmente idênticas” ao seu próprio trabalho usando pneumática para simular o toque físico.

“Agradecemos o interesse e a competição no campo da háptica microfluídica; no entanto, a concorrência deve ser justa para que a indústria prospere. Embora ainda não tenhamos ouvido falar da Meta, estamos ansiosos para trabalhar com eles para chegar a um acordo justo e equitativo que atenda às nossas preocupações e lhes permita incorporar nossa tecnologia inovadora em seus futuros produtos de consumo”, diz Jake Rubin, fundador e CEO da HaptX, em comunicado.

Por se tratar de um projeto em andamento, a luva da Meta não possui uma previsão de lançamento – ou sequer há confirmação de que ela será lançada. No entanto, a divisão Reality Labs da Meta, responsável pela criação, acredita que o toque será uma peça vital dos futuros sistemas de realidade aumentada e virtual voltados para o consumidor.

A criação usa almofadas infláveis e um sistema de controle sofisticado para criar uma sensação de pressão ou resistência quando o usuário toca em objetos virtuais. A HaptX criou um sistema semelhante, também com base em inflação, que vende para clientes profissionais em vez de consumidores.

A HaptX surgiu oficialmente em 2016, após quatro anos trabalhando de maneira independente. Já os pesquisadores da Meta afirmam que seu primeiro protótipo de luva foi criado em meados de 2015.

No entanto, Rubin afirma que, “ao longo dos anos, recebemos muitos engenheiros, pesquisadores e executivos da Meta para demonstrar nossa inovadora tecnologia háptica”.

De qualquer forma, ainda não se sabe como a HaptX vai reagir em relação a essa acusação. Pode ser que a Meta tenha de enfrentar uma ação legal por violação direta de patente.

Via: The Verge

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *