Há algum tempo, a Índia tem planos para uma lei que baniria a maioria das criptomoedas no país. Nos últimos meses, com o projeto tendo sido deixado de lado, muito se falava que o governo poderia suavizar sua visão das moedas digitais. Mas parece que não é isso que vai acontecer.

De acordo com um boletim do governo, a proibição faz parte de uma proposta para regulamentar as moedas digitais e o projeto agora será votado em uma reunião que deve ocorrer até fevereiro.

Se aprovada, a proibição será válida para todas as criptomoedas privadas, com certas exceções para permitir a promoção da tecnologia e seus usos. Após a revelação do governo, o preço das moedas despencou nas bolsas indianas.

A legislação planejada tem como objetivo “criar uma estrutura facilitadora para a criação de uma moeda digital oficial a ser emitida pelo Reserve Bank of India”.

Na semana passada, Shakti Kanta Das, responsável pelo banco do país, disse que a instituição financeira tinha “sérias preocupações do ponto de vista da estabilidade macroeconômica e financeira” e que a tecnologia blockchain pode prosperar sem criptomoedas.

Impacto do projeto de lei no mercado de criptomoedas

Como citado, as moedas despencaram no mercado indiano após o anúncio. No caso do Bitcoin, por exemplo, houve uma queda de 13%, enquanto Shiba Inu e Dogecoin caíram mais de 15%.

No entanto, como citado por Gel Goodman, autor do livro The Crypto Trader, em entrevista à BBC, o impacto global foi “relativamente pequeno”. “Mesmo quando a China decidiu banir as criptomoedas – e isso foi realmente um grande negócio – não massacrou completamente os mercados de criptografia”, disse.

Mesmo assim, ele observa que a recente decisão da China foi motivada porque os “governos têm abordagens muito diferentes sobre como eles veem as coisas”.

Goodman destaca que, no caso da China, a ideia era se livrar de todas as moedas digitais, exceto a que estão criando. “Eles querem dominar as criptomoedas e me parece que o governo indiano teve a mesma ideia”, finaliza.

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *