Mais de um ano já se passou desde a invasão ao Capitólio dos Estados Unidos, em 6 de janeiro de 2021. Ainda assim, as investigações estão longe de acabar. Tanto que as big techs Meta, Google, Twitter e Reddit foram novamente intimadas pelo Comitê do Congresso americano acerca do fatídico evento.

Isso porque o Comitê investiga as medidas (ou a falta de ações) tomadas pelas redes sociais para mitigar os planejamentos e organizações feitas na plataforma em prol da invasão ao Capitólio. Por isso, o governo americano tem cobrado há tempos um parecer das big techs, por meio de registros e documentos internos.

É quase unânime a opinião de que as empresas tiveram responsabilidade no incidente — inclusive, muitas delas já admitiram parte da culpa. O problema é que as respostas dadas ao Comitê até agora foram enquadradas como “inadequadas”, o que tem gerado mais pressão por informações mais detalhadas.

“Duas questões-chave para o Comitê são como a disseminação de desinformação e o extremismo violento contribuíram para o ataque violento à nossa democracia e que medidas — se é que houve — as empresas de mídia social tomaram para evitar que suas plataformas sejam terreno fértil para radicalizar as pessoas à violência”, contestou o presidente do comitê, Bennie Thompson (DMS). “É decepcionante que, após meses de engajamento, ainda não tenhamos os documentos e as informações necessárias para responder a essas perguntas básicas. O Comitê está trabalhando para obter respostas para o povo americano e ajudar a garantir que nada parecido com o 6 de janeiro aconteça novamente. Não podemos permitir que nosso importante trabalho seja adiado”, completou.

Like em rede social para ilustrar big techs

Big techs podem ter desempenhado papel importante para a invasão ao Capitólio – Imagem: Barefoot Communications/Unsplash

Com a nova intimação, as big techs agora receberam o prazo até o dia 27 de janeiro para entregar os documentos solicitados.

Cerco às big techs

Nenhuma das big techs escapou dessa chamada “mais dura”. Uma carta de Thompson à Mark Zuckerberg questionou como a Meta lidou com o movimento Stop the Steal em sua plataforma. Também foi abordado como a rede não reconheceu os perigos dos grupos mesmo após o incidente e a dissolução de sua equipe de integridade cívica após a eleição.

Ao CEO do Google, Sundar Pichai, foram enviadas perguntas sobre como a Alphabet implementou e revisou sua moderação de conteúdo, promoção algorítmica, desmonetização e outras políticas que podem ter afetado os eventos de 6 de janeiro de 2021. Thompson apontou ainda que conteúdos de desinformação são vistos até hoje no YouTube.

Outra carta foi enviada à Parag Agrawal, novo CEO do Twitter. O Comitê entende que a rede social não cumpriu com a solicitação do órgão, que exigiu análises internas sobre casos de desinformação, informações falsas e de má fé na plataforma relacionados às eleições presidenciais de 2020.

A última das big techs intimadas foi o Reddit. Mesmo que a plataforma tenha banido comunidades como r/The_Donald e r/donaldtrump, a carta observa que os membros migraram para a comunidade TheDonald.win, local em que havia uma “quantidade significativa de discussão e planejamento online” relacionados à insurreição”.

O que dizem as empresas

Em resposta à nova intimação, um porta-voz do Google disse ao Engadget que a empresa está comprometida em trabalhar com o Congresso. “Temos políticas rígidas que proíbem conteúdo que incite à violência ou prejudique a confiança nas eleições no YouTube e nos produtos do Google. Aplicamos essas políticas no período que antecedeu 6 de janeiro e continuamos a fazê-lo até hoje”, completou.

A Meta, ex-Facebook, disse que já está trabalhando para fornecer as informações solicitadas. Em comunicado, um porta-voz da companhia informou que “produziu documentos para o Comitê em um cronograma solicitado pela equipe” e que seguirá auxiliando as autoridades.

Um porta-voz do Twitter se recusou a comentar sobre a intimação. Já o Reddit não respondeu imediatamente ao pedido de comentário.

Via: Engadget

Comentários

0

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *